Setor sucroenergético gera empregos apesar da crise

A indústria de Mato Grosso do Sul vem acumulando números negativos na geração de empregos desde o começo do ano. De janeiro a abril de 2015 o saldo entre contratações e demissões foi de 596 vagas encerradas, 89% menor que a média histórica do setor, é o que mostra o relatório divulgado na segunda-feira, pela Federação das Indústrias do MS - FIEMS. No acumulado dos últimos 12 meses, foram 9.551 postos a menos.

O sucroenergético ficou entre os setores que tiveram saldo positivo na geração de empregos, com 961 postos de trabalho gerados e foi o setor que mais empregou no Estado no primeiro quadrimestre do ano.

Com cerca de 30 mil colaboradores nas 22 unidades em operação, o setor tem a segunda maior massa salarial do Estado e o terceiro melhor salário da indústria. Nas cidades onde as usinas são instaladas estima-se que para cada posto criado, mais 3 empregos indiretos são gerados.

No ranking de municípios que mais empregaram no período de janeiro a abril de 2015, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – Caged, estão Angélica, Rio Brilhante, Costa Rica e Chapadão do Sul, todas essas cidades possuem unidades de processamento de cana.

Segundo o Presidente da Biosul - Associação de Produtores de Bioenergia de MS, Roberto Hollanda Filho “Estamos em plena safra e, apesar da crise que afeta o setor e o país, temos feito um esforço para recuperar o caminho do crescimento mantendo e até ampliando os empregos no setor.

Fonte: DouradosAgora - 02/06/2015

Raízen nas redes sociais